terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Protestos no Egito: um novo meme

Lendo sobre os protestos no Egito encontrei esse artigo interessante de Paul Mason em seu blog “Idle Scrawl” (Garranchos Preguiçosos) no site de BBC e resolvi traduzi-lo e publicá-lo aqui. Destaco a importância da definição do conceito de meme. Segue abaixo o resultado. O local original da publicação encontra-se no final do texto.

“Vinte razões porque é dado o pontapé inicial em todos os lugares

Paul Mason | 19:07 UK time, Saturday, 5 February 2011

Nós estamos tendo revoluções na Tunísia, o Egito de Mubarak está à beira de uma; em Iêmen, Jordânia e Síria repentinamente protestos tem aparecido. Na Irlanda jovens profissionais tecnologicamente esclarecidos estão agitando para uma “Segunda República”, na França os jovens de subúrbios lutam contra policiais nas ruas para defender o direito de aposentadoria aos 60 anos de idade, na Grécia protestar, arrumar confusão e bagunçar transformar-se no passatempo nacional. E na Grã-Bretanha nós temos tido tumultos e invasões de estudantes que mudam a maneira da policia agir.

O que está acontecendo? O que está contra a dinâmica social?

Alguns pontos importantes.

1. No coração de tudo está um novo tipo sociológico: o graduado sem futuro.

2. ...com acesso a mídias sociais, como Facebook, Twitter e Yfog, por exemplo, então eles podem expressar eles mesmos em variadas situações que vão desde a democracia parlamentar à tirania.

3. Portanto, a verdade se move mais rápido do que as mentiras e a propaganda se torna inflamável.

4. Eles não são propensos a ideologias tradicionais e endêmicas: trabalhismo, o islamismo, ou catolicismo (Fianna Fail), etc... de fato ideologias hermético de todas as formas, são rejeitadas.

5. As mulheres muito numerosas são a espinha dorsal dos movimentos. Depois de vinte anos de modernizados mercados de trabalho e acesso ao ensino superior, o líder do protesto “arquetípico”, facilitador, organizador, porta-voz agora é uma jovem educada.

6. Horizontalismo tem se tornado endêmico, porque a tecnologia torna mais fácil: mata hierarquias verticais espontaneamente, enquanto que antes – e a experiência por excelência do século 20 - foi o assassinato de dissidentes dentro dos movimentos, a canalização dos movimentos sociais e suas burocratizações.

7. Memes: “Um meme age como uma unidade para carregar ideias culturais, símbolos ou práticas, que podem se transmitidas de uma mente para outra através de escritos, falas, gestos, rituais ou outros fenômenos imitáveis. Apoiadores do conceito consideram memes como o análogo cultural aos genes, em que ele se auto-reproduz, modifica e responde a pressão seletiva.” (Wikipedia) – então o que acontece é que ideias surgem, são muito rapidamente “testadas no mercado” e ou decolam, fervilham, insinuam-se, ou se elas não são consideradas boas elas desaparecem. Ideias que se auto-duplicam como gene. Antes da internet essa teoria (ver Richard Dawkins, 1976) parecia um exagero, mas agora você pode claramente traçar a evolução dos memes.

8. Eles todos parecem conhecer uns aos outros: não apenas a rede é mais poderosa que a hierarquia – mas a rede para um determinado fim (ad-hoc) se tornou mais fácil a se formar. Então se você “segue” alguém que trabalha na UCL (University College London) no Twitter, como eu fiz, você pode facilmente encontrar um blogueiro radical do Egito, ou um professor em sua residência pacífica na Califórnia, que na maioria do tempo faz trabalhos na Birmânia, para que então existam os tweets birmaneses para seguir. Durante o início do século 20 as pessoas andavam pendurados na parte inferior das carruagens dos comboios para ir além das fronteiras apenas para fazer ligações como essas.

9. As especificidades do fracasso econômico: o aumento do acesso em massa à educação de nível universitário é um dado. Talvez em breve até 50% no ensino superior não será suficiente. Na maior parte do mundo isso está sendo financiado com dívida pessoal - então as pessoas estão fazendo um julgamento racional para entrar em dívida para eles serem bem pagos mais tarde. No entanto, a perspectiva de dez anos de contenção orçamental em alguns países significa que eles agora sabem que vão ser mais pobres que os seus pais. E o efeito foi como desligar o interruptor de luz; a história de prosperidade é substituída pela história do fracasso, mesmo se para indivíduos a realidade seja mais complexa, e não tão ruim quanto eles esperam.

10. Essa evaporação de uma promessa é agravada nas sociedades mais repressivas e nos mercados emergentes, porque - mesmo quando você começa um rápido crescimento econômico - não pode absorver o crescimento demográfico dos jovens rápido o suficiente para proporcionar a elevação dos padrões de vida de um número suficiente deles.

11. Para amplificar: não consigo encontrar as citações, mas um dos historiadores da Revolução Francesa de 1789 escreveu que não era o produto de pessoas pobres, mas dos advogados pobres. Você pode ter estruturas político/econômicas que decepcionam os pobres por gerações -, mas se os advogados, professores e médicos estão sentados em seus sótãos congelados e faminto você começa uma revolução. Agora, em seus sótãos, eles têm um laptop e uma conexão de banda larga.

12. A fraqueza do trabalho organizado significa que há uma mudança na relação entre a classe média radicalizada, os pobres e os trabalhadores organizados. O mundo parece mais com Paris do século 19 - predomínio pesados da intelectualidade "progressista", entremeando com os moradores de favelas em inúmeras interfaces sociais (cabarés na séc. XIX, raves agora); o medo social enorme da pobreza excludente, mas também muitas histórias de riquezas celebradas na mídia (Fifty Cent etc), enquanto que a cultura solidária e respeitabilidade do trabalho organizado ainda está lá, mas, como no Egito, eles encontram-se com um "exército no palco" para marcharem dentro e fora da cena da história.

13. Isto leva a uma perda de medo entre os jovens radicais de qualquer movimento: eles podem escolher, não há confronto que eles não possam retirar-se. Eles podem "ter um dia de folga" do protesto, ocupando: enquanto que com o velho movimento baseado na classe trabalhadora, seu lugar nas fileiras de batalha era determinado e eles não poderiam recuar depois da coisa começar. Você não poderia "ter um dia de folga" de greve dos mineiros se você morasse em uma vila mineradora.

14. Além de um dia de folga, você pode "misturar e combinar": Eu conheci pessoas que fazem um dia de organização da comunidade, e os próximos estão em uma flotilha de Gaza, depois começam a trabalhar para uma reflexão sobre a energia sustentável, em seguida, está escrevendo um livro sobre algo completamente diferente. Fiquei surpreso ao encontrar pessoas que eu havia entrevistado dentro da ocupação UCL blogando da Praça Tahrir esta semana.

15. As pessoas apenas sabem mais do que acostumavam saber. Ditaduras não contam apenas com a supressão de notícias, mas suprimem os relatos e a verdade. Mais ou menos tudo o que você precisa saber para entender o mundo está disponível gratuitamente para download na internet: e não é pré-digerida para você, por seus professores, pais, padres, sacerdotes. Por exemplo, há um grande número de dados disponíveis para mim agora sobre os assuntos que estudei na universidade que não eram conhecidos quando eu estava lá na década de 1980. Então semestres acadêmicos inteiros seriam gastos disputando fatos básicos, ou tentando pesquisá-los. Agora isso ainda é verdade, mas o plano de raciocínio pode ser mais complexo porque as pessoas têm uma fonte de referência imediata para as instalações incontestáveis de argumentos. É como se a física fosse substituída pela física quântica, mas em cada disciplina.

16. Não existe Guerra Fria e à Guerra contra o Terror não é tão eficaz quanto a Guerra Fria foi na solidificação das elites contra a mudança. O Egito está provando ser um exemplo real disso: embora seja altamente provável que as coisas fujam do controle, pós-Mubarak - como em todas as revoluções raciais - as terríveis advertências da direita dos EUA dizendo que isso levará ao islamismo é um “meme” que não decolou. Na verdade, você poderia fazer um estudo interessante de como começa o meme, floresce e desaparece no espaço de 12 dias. Para ser claro: não estou dizendo que eles estão errados - apenas que o medo de uma tomada de poder islâmico no Egito não foi forte o suficiente para balançar a presidência dos EUA ou da mídia por trás de Mubarak.

17. É possível - com as pressões internacionais e algumas ONGs poderosas - derrubar um governo repressor, sem ter de passar anos na selva como um guerrilheiro, ou anos, no subsolo urbano: ao invés da juventude da oposição - tanto no Ocidente em regimes repressivos como Tunísia / Egito, e sobretudo na China - ao vivo em um matagal virtual online através de redes digitais e aparelhos de comunicação. A internet não é a chave aqui – são, por exemplo, as coisas que pessoas trocam por mensagem de texto, a música que eles trocam entre eles etc: os significados ocultos em grafites, arte de rua etc, que os detentores da autoridade não identificam e não conseguem entender.

18. As pessoas têm uma melhor compreensão do poder. Os ativistas leram seus Chomsky e seus Hardt e Negri, mas as idéias deles se tornaram miméticas: os jovens acreditam que os problemas já não são de classe e economia, mas simplesmente o poder: eles são inteligentes e peritos em saber como fazer confusão com as hierarquias e ver as várias “revoluções” em suas próprias vidas como parte de um “êxodo” da opressão, e não - como as gerações anteriores fizeram - como um “desvio para o pessoal”. Enquanto Foucault poderia dizer Gilles Deleuze: "Tivemos que esperar até o século XIX antes de começarmos a compreender a natureza da exploração, e até hoje, ainda temos de compreender totalmente a natureza do poder", - que está provavelmente alterada.

19. Como a soma algébrica de todos estes fatores parece que o protesto "meme" que está varrendo o mundo - se é que a premissa é bem verdade - é profundamente menos radical na economia do que aquele que varreu o mundo na década de 1910 e 1920, eles não procurar uma total reviravolta: eles buscam uma moderação dos excessos. No entanto, em política, o tema comum é a dissolução do poder centralizado e na procura de “autonomia” e liberdade pessoal para além da democracia formal e um fim à corrupção, de base familiar de poder das elites.

20. A tecnologia - de muitas formas, desde a pílula anticoncepcional para o Ipod, o blog e a câmera CCTV - expandiu o espaço e poder do indivíduo.

Algumas complicações....

a) tudo acima são generalizações: e devem ser lidas como tal.

b) estes métodos são replicáveis pelos seus opositores? É evidente que até um certo ponto eles são. Portanto, a suposição do movimento global progressiva que seus valores estão alinhados com a do mundo conectado pode estar errado. Além disso, ainda temos que ver o que acontece a todas as redes sociais se este estado sempre com seriedade puxa o cabo ligado a tecnologia: desligando a rede móvel, censores de Internet, os ciber-ataques dos manifestantes.

c) A China é o laboratório aqui, onde a polícia de internet é paga para ir online e fomentar a favor do governo “memes” para combater os oposicionistas. O blogueiro egípcio esquerdista Arabawy.org diz em seu site que: “em uma ditadura, o jornalismo independente por padrão se torna uma forma de ativismo e a propagação de informações é essencialmente um ato de agitação.” Mas o jornalismo independente é reprimido em muitas partes do mundo. (Inclusive aqui no Brasil)

d) O que acontece com este novo zeitgeist fofo global quando se vai contra a ditadura de estilo antigo hierárquica em um jogo de morte, sendo que esta última tem cerca de 300 tanques de guerra Abrams? Podemos estar prestes a descobrir.

e) - e isto é preocupante para a política dominante: estamos criando uma completa desconexão entre os valores e a linguagem do estado e dos jovens educados? O Egito é um exemplo clássico - se você ouvir os funcionários NDP (Egypt's National Democratic Part) há um aspecto em tempo desfigurado para a sua língua comparado ao de jovens médicos e advogados sobre a Praça. Mas também há exemplos no Reino Unido: grande parte do discurso político - em ambos os lados da Câmara dos Comuns - é tratado por muitos jovens como um "barulho" mal inteligível - e isto vai além dos manifestantes.

(Por exemplo: Eu estou achando comum entre os não-políticos, esses dias, que sempre que você menciona a “Grande Sociedade” não há um encolher de ombros e uma reprimida risada - mas se você se mover no labirinto de grupos de pesquisa em torno de Westminster, é tratada mortalmente a sério. Insultar a Grande Sociedade rapidamente se tornou um "meme", que atravessa as fronteiras políticas tribais sob a coalizão, mas a maioria dos políticos profissionais estão surdos para "memes", como os jovens são para o conteúdo de Hansard (Diário Oficial do Parlamento Britânico)).

É isso aí - como eu digo, estes são apenas os meus pensamentos sobre tudo e não pesquisei outros que através da experiência: há teses de doutorado, provavelmente inteiras sobre algumas delas então sintam-se a vontade para postar comentários.

Da mesma forma, se você acha que é tudo bobagem, e se tiver mais de 40 você pode, desabafa sua melancolia da era analógica abaixo.”

Até a hora em que publiquei o artigo aqui no blog a matéria original já possuía mais de 170 comentários. Não cheguei a ler todos. Você pode lê-los se quiser no link abaixo.

Este artigo foi publicado em: <http://www.bbc.co.uk/blogs/newsnight/paulmason/2011/02/twenty_reasons_why_its_kicking.html>

Acesso em: 08 de Fevereiro 2011

Tradução: Luiz Felipe H. Piccoli

Um comentário:

Fi Roy disse...

Na verdade Eu achei! Eu achei, te enviei e fiz tu ler em inglês comigo. Mas aceito que tu traduziu, e espero que tu tenha traduzido muito bem, parabéns. E o próximo...?