sexta-feira, 13 de agosto de 2010

ENSINO DE FILOSOFIA COM O HOMEM-ARANHA

Katie Connolly

Durante anos, os fãs dos quadrinhos do Batman têm ficado intrigados com um mistério no coração da série: por que Batman não apenas mata seu arqui-inimigo, o Coringa?

Os dois se envolveram em um jogo prolongado de gato e rato. O Coringa comete um crime, Batman pega, o Coringa é preso e, em seguida invariavelmente escapa. Será que tudo isto não seria muito mais simples se Batman apenas matasse o Coringa? O que o impede?

É assim que o filósofo Immanuel Kant e a teoria deontológica de ética vêm sendo introduzidos no ensino. Pelo menos, é assim que a discussão avança em um crescente número de aulas de filosofia em os E.U.A..

Estudos culturais e de mídia abriram caminho para as universidades incorporar a cultura pop em seu currículo. Atualmente não é raro encontrar uma classe de estudos de televisão ao lado da literatura do século 17 nas listas de cursos de um departamento de Inglês.

Agora, professores de filosofia têm encontrado nos super-heróis e nas histórias em quadrinhos ferramentas extremamente úteis para ajudar os estudantes a pensar sobre os complexos debates éticos e morais que os filósofos têm se ocupado por séculos.

Além disso, os super-heróis estão atraindo os alunos a uma disciplina, muitas vezes associada a livros bolorentos, cotoveleiras de camurça e gravatas borboleta.

Tradição socrática

William Irwin, professor de filosofia no King's College, na Pensilvânia, edita a série Filosofia e Cultura Pop, que inclui títulos como Simpsons e a Filosofia, Batman e Filosofia, e X-Men e Filosofia (a maioria deles publicados aqui no Brasil pela editora Madras).

Ele diz que não há nada de anormal sobre o uso de referências populares para ilustrar as teorias complexas. “Isto é o que a filosofia tem tentado fazer desde o começo”, diz ele. “A filosofia começa com Sócrates nas ruas de Atenas, levando sua mensagem ao povo e falando na língua deles – com analogias agrícolas e usando a mitologia comum a todos”.

Através dos séculos, porém, os filósofos recuaram na academia, criando um vocabulário complicado que pode parecer inacessível ao estudante universitário médio do primeiro ano - os “deontológica” da ética por exemplo.

Christopher Bartel, um professor adjunto de filosofia na Universidade Estadual Appalachian, pede aos alunos para ler a graphic novel Watchmen, a fim de explorar questões sobre metafísica e epistemologia.

Em uma das aulas, ele usa o personagem do Dr. Manhattan, que afirma que tudo - incluindo a psicologia das pessoas - é determinada através de todas as leis da física de causalidade. Prof. Bartel usa isto para ensinar as teorias do determinismo e do livre arbítrio e as responsabilidades morais decorrentes dessas visões de mundo.

Prof. Bartel diz que seu curso - Filosofia, Literatura, Cinema e Comics - é uma “ferramenta de recrutamento fantástica”, e que seus alunos passam a especializar-se em filosofia mais que os alunos de qualquer dos seus outros cursos.

“Eu geralmente tenho alunos que lêem Platão, Aristóteles e Hume na introdução dos cursos de filosofia. Muitas vezes, acho interessante, mas fico com medo pela distância de quão difícil é ler o material,” o Prof. Bartel, disse à BBC.

“Quadrinhos podem fornecer ilustrações muito boas dessas idéias filosóficas sem assustá-los.”

Ele diz que sempre há alunos que acham que o curso vai ser apenas uma simples classe A, mas logo percebe que, apesar da diversão do material, o trabalho é muito sério.

Grande poder, grande responsabilidade?

Para Christopher Robichaud, que ensina ética e filosofia política em Harvard Kennedy School of Government e na Universidade Tufts, super-herói baseado em experiências de pensamento podem ajudar as pessoas a lidar com os dilemas éticos de uma forma sentimental.

O tio de Peter Parker Ben disse a ele que, com grande poder vem uma grande responsabilidade, um axioma que tematicamente se repete ao longo da série. Imagine, por exemplo, que você é Peter Parker (Spider-Man) e você acabou de descobrir que tem superpoderes. Você tem a obrigação moral de usar seus poderes recém-descobertos para ajudar os outros?

Em um ensaio publicado pelo o Prof. Robichaud ele usa essa pergunta para explorar consequencialismo, uma abordagem à moralidade que, como o nome sugere, os juízes da correção ou incorreção de uma ação baseada unicamente em seus resultados. Um consequencialista provávelmente argumentaria que Peter Parker tem uma responsabilidade moral de ser o Homem-Aranha, porque essa decisão traria o bem maior. Mas Peter Parker também era um talentoso cientista, portanto, um consequencialista não poderia argumentar que para cumprir a sua vocação científica poderia ser uma escolha igualmente válida para ele. Talvez continuar a ser o Homem-Aranha esteja acima e além da chamada do dever - a resposta é obscura.

A conversa não termina com os super-heróis, é claro. Prof. Robichaud incentiva os alunos a tomar a estrutura que eles aprenderam e aplicá-la a decisões em suas vidas pessoais e profissionais. Mas ele diz que é uma forma neutra de começar a falar sobre as questões éticas que as pessoas costumam achar provocadoras ou conflitantes.

“Ética é uma daquelas coisas difíceis de ensinar, porque para muita gente, as respostas são muito pessoais”, disse o Prof. Robichaud a BBC. “Se você fala sobre exemplos artificiais em primeiro lugar, então as pessoas permitem a si mesmas pensar um pouco mais e sentem-se seguras e esclarecidas sobre questões éticas."

O desafio

A incorporação de super-heróis em um currículo de filosofia não é isenta de críticas. Quando acadêmicos lutam para preencher lugares em suas aulas de poesia medieval, enquanto seus colegas estão levando os estudantes embora para os cursos embalados na retórica mítica dos super-heróis, os deboches em salas compartilhadas, são de se esperar.

O professor Mark White, da Universidade da Cidade de Nova York diz que ele tem certeza que o seu trabalho em Batman e filosofia “desperta algumas risadas em” corredores, mas ele tem o cuidado de salientar que ele não está ensinando a filosofia de histórias em quadrinhos, ele está usando histórias em quadrinhos para ensinar filosofia.

O Sr. Irwin concorda, e descreve uma distinção entre o seu trabalho e o dos teóricos culturais. “Os estudos culturais saindo fora do Reino Unido levam muito a sério a cultura popular como objeto de estudo," disse à BBC o senhor Irwin.

“Nós não estamos dizendo que o cânon dos livros em quadrinhos Superman é equivalente a Homero e Dante, e você pode estudá-las para seu próprio bem. Nós não estamos sugerindo que quadrinhos substituir Platão e Descartes – de maneira nenhuma. O objetivo é sempre receber as pessoas interessadas em filosofia, falando primeiro lugar em termos que as pessoas estão familiarizadas."

Prof. Robichaud tem pouca paciência para os críticos que dizem que este trabalho barateia o estudo da filosofia tradicional.

“O tipo de filosofia que eu faço - filosofia analítica - que utiliza o pensamento experiências o tempo todo”, diz ele. “Se os exemplos que estão chamando de ficção são exemplos da cultura popular, enquanto que no serviço de boa filosofia, quem se importa? Quem se importa se o exemplo é de Middlemarch ou Watchmen?”

Shaun Treat, que leciona na Universidade do Texas Norte, não é incomodado por críticos “intelectuais”. Para ele, a prova está em no retorno dos alunos.

Após anos de ensino tradicional de debates, como Hobbes versus Locke, ele diz, “é incrível o quanto os alunos estão mais interessados e engajados quando lhes colocar em capa e calças justas e tê-los slug it out”.

Tradução de Luiz Felipe H. Piccoli

Texto escrito por Katie Connolly. Ensino de filosofia com o Homem-Aranha. BBC News, Washington. Em 12 agosto de 2010 Atualizado às 06:24 GMT

Publicado em: http://www.bbc.co.uk.news/world-us-canada-10900068

Um comentário:

Allan Davy Santos Sena disse...
Este comentário foi removido pelo autor.